21 de mai de 2014

LAÇOS DE "FAMÍLIA"

Há muitos anos conheci um homem que tinha dois filhos: uma menina de 16 anos e um menino de oito. A mãe dessas crianças havia morrido em um acidente de carro quando Júnior, o filho mais novo, ainda era um bebê. Dois anos após a morte da sua esposa, ele casou-se novamente, separando-se dois anos depois ao descobrir que seus filhos, principalmente a Cristina que, à época estava com 12 anos, era constantemente maltratada: tanto física como psicologicamente pela madrasta.
Então, após três anos do ocorrido, eu o conheci. E também os seus filhos. Rodrigo era um homem bonito, educado e muito gentil além de parecer um pai muito dedicado. Começamos a sair, a namorar e em pouco tempo estávamos passando os finais de semana e férias de final de ano juntos. Mas o foco desse meu escrito não é Rodrigo, mas sim a relação entre a sua filha adolescente e eu.
Júnior quando me conheceu foi amor à primeira vista. Logo que me via corria a me abraçar e contar as novidades da sua escola, dos seus amigos ou alguma aventura sua. Algumas vezes gostava de fazer de conta que eu era a sua mãe.
Com Cristina foi justamente o oposto: Virava a cara pra mim, discordava de tudo o que eu falava e constantemente me agredia verbalmente e ao seu pai, quando estávamos juntos. Talvez por eu conhecer tudo o que ela já tinha passado, só conseguia sentir carinho por essa menina. E tentei muitas vezes o diálogo, um olhar afetuoso... mas nada.
O ápice desse nosso relacionamento ‘madrasta-enteada’ deu-se durante um passeio de fim-de-semana na praia de Tramandaí: Eu tinha visto um vestido indiano de cor azul e me apaixonado por ele. Rodrigo não pensou duas vezes em comprá-lo para mim. Ao chegarmos ao hotel, Cristina foi até o meu armário e, com uma tesoura, o rasgou todo.
Quando entramos no quarto e vimos meu vestido totalmente rasgado e jogado no chão, Rodrigo gritou ferozmente pelo nome da filha, que estava no quarto ao lado. Como ela não apareceu, Rodrigo foi até o quarto dela e a trouxe na marra. Já em nosso quarto Rodrigo, muito alterado e apontando pro vestido rasgado, perguntou o que ela tinha a dizer sobre isso. Ela afirmou que rasgou o vestido, sim e que não estava nada arrependida porque sabia que eu só queria era roubar a família dela, me fazendo de boazinha.
Enquanto eles brigavam, eu olhava tudo atônita, sentindo por Cristina uma mistura de raiva pelo vestido rasgado e uma espécie de compaixão por tudo o que ela estava sentindo.
Num determinado momento dessa discussão entre eles, Rodrigo dá um tapa no rosto da sua filha. Ela em prantos responde que a culpa é toda minha e, se dirigindo ao seu pai, diz que se ele quiser que fique comigo, pois ela vai embora. Ele responde que ela vá, então. Ela, chorando e visivelmente magoada sai do quarto. Eu, sem conseguir dar uma palavra e me sentindo culpada e triste por provocar sentimentos tão negativos em alguém.
No dia seguinte, durante o café da manhã, nenhuma palavra. Até mesmo Junior que adorava um papo à mesa ficou calado. E como o dia estava chuvoso, permanecemos no hotel. Júnior foi brincar com um grupo de amigos na sala de jogos, Rodrigo decidiu que iria nadar na piscina do hotel e Cristina foi pro seu quarto. Pensei um pouco e decidi que precisava conversar com Cristina, que precisa ao menos tentar colocar os pingos nos ‘is’.
A porta do quarto estava entreaberta e a encontrei chorando. Pedi licença e disse que precisava conversar. Ela apenas me olhou. Comecei falando do meu desejo de formar uma família, de como seu pai sempre falou com carinho dos seus filhos para mim e de como isso me encantou nele. Falei que conhecia um pouco da sua história e sentia, sinceramente por isso...
De repente, enquanto eu falava com ela, minha voz falhou e eu comecei a chorar. Nesse exato momento eu vi no olhar de Cristina algo parecido com ternura. Ela se aproximou de mim e, envergonhada, me pediu desculpas. Eu apenas abri meus braços enquanto a olhava. Ela me abraçou e novamente se desculpou. Tempos depois ela me confessou o que eu já havia percebido: Ela disse que sentia algo parecido como um medo de gostar de mim e ser magoada como aconteceu anteriormente com a ex-mulher do seu pai. A partir desse episódio nossa relação tumultuada se transformou completamente e nós nos tornamos grandes amigas e confidentes.

Meses depois Rodrigo e eu terminamos nosso namoro por motivos que não vem ao caso nesse momento, mas que daria uma nova e boa história. Porém, Cristina e eu continuamos muito apegadas e nos falando quase diariamente, até hoje. 

7 comentários:

  1. Adorei ler essa história de amor familiar
    Realmente o amor vence tudo.

    ResponderExcluir
  2. Rejane,
    primeiro quero te agradecer pela visita ao meu blog, e depois te dizer que eu não sabia que tu tinhas um também :)

    Muito interessante teu texto e confesso que fiquei na dúvida se é ficção ou realidade... enfim. De qualquer forma o argumento é que se faz mais importante, e o tanto que os laços familiares podem ficar abalados com as perdas e os acréscimos de outras pessoas nessa relação. Mas sempre haverá espaço ao diálogo e à tentativa de dar certo, e pelo que entendi, foi o que aconteceu.
    Muito bem-escrito!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá Rejane!
    Opa valeu por curtir o blog!

    Nossa, mas que linda essa parte de sua história. Meus pais também são divorciados mas graças aos deuses sempre me dei super bem com meu padastro e ele comigo, o vejo quase que como um segundo pai.
    Foi muito bonito como você e sua enteada se entenderam. Não conhecia seu blog, agora lerei os outros posts!

    Espero contar com sua presença neles outras vezes!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá Rejane!
    Opa valeu por curtir o blog!

    Nossa, mas que linda essa parte de sua história. Meus pais também são divorciados mas graças aos deuses sempre me dei super bem com meu padastro e ele comigo, o vejo quase que como um segundo pai.
    Foi muito bonito como você e sua enteada se entenderam. Não conhecia seu blog, agora lerei os outros posts!

    Espero contar com sua presença neles outras vezes!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Bonita história que li com muito interesse,
    Beijo e boa semana
    Graça

    ResponderExcluir
  6. Muito linda essa história.

    :)

    Emocionei.

    ResponderExcluir
  7. Quanta ternura nessa história!
    Adorei ter lido. Delícia mesmo
    Bjsinho

    ResponderExcluir