12 de out de 2015

CRIANÇA DIZ... nova coletânea!

1- Dia chuvoso, "recreio" dentro da sala de aula. As crianças brincam, lancham e conversam. Num cantinho da sala um grupo de meninos e meninas brincam de "verdade ou consequência" com uma garrafinha d'água.

De repente um dos meninos chega até mim, me dá um beijo e me diz: "professora eu te adoro." Eu me admiro um pouco, pois não é do estilo DESSE menino dizer isso. Mas logo percebo que essa declaração faz parte de uma possível "consequência" do jogo.

Aí eu vou até o cantinho de jogo deles e pergunto qual deles decidiu essa consequência. Uma menina sorrindo diz que foi ela. Eu sorrio e, quando já estou me retirando, um outro menino se levanta e me abraça apertado dizendo: "professora eu te amo! E ninguém me mandou!"


2- Esses dias teve cineminha na sala de aula. E no escurinho da sala de aula algumas crianças olhavam atentas ao filme, outras beliscavam guloseimas e cochichavam baixinho e outras...

Bem, outras reclamavam da colega: "Professora, a 'Fulana' está jogando bichinho de pelúcia em mim!"
Meu deus.... quanta agressividade! Jogar bichinho de pelúcia!!!!


3- E durante as apresentações no parque Eduardo Gomes, uma de minhas alunas, muito 'especial', aponta pra uma caixa e me fala: "Aquele boneco ali é meu amigo, eu conheço ele!"
Eu olho, olho e só vejo uma caixa . Penso: Ué, boneco? Eu só vejo uma caixa verde.
Mais tarde percebi que o tal boneco referido por minha aluna estava, na verdade, DENTRO da caixa... assim como o carneiro do Pequeno Príncipe!


4- Momentos MACHISTAS do nosso passeio a um parque de Canoas, com as crianças:
Duas mulheres de prenda, apresentavam o boneco Chico (faziam sua voz e seus movimentos). Aí, num determinado momento, quando falavam sobre a 'Chula' afirmaram duas vezes: "Essa dança mulher não pode dançar... mulher não pode dançar."

Como assim: "Não PODE dançar?" Nunca vi mulher dançando, é uma dança típica masculina até mesmo pela origem, mas... não pode??? Ora, pode sim!!!


Mais adiante, quando um rapaz se apresentou dançando chula, chamaram os meninos, só os meninos pra interagirem e irem brincar de dançar a chula também... enquanto que as meninas só olhavam e torciam. 

E mais adiante ainda comentou: "Dançarino de chula não pode ter barriga." Gordo/Gordinho não pode dançar??? Repito: Pode sim!!!

Mesmo com esses momentos machistas, com o tempo chuvoso e lamacento e 'otras cositas mas'... todos se divertiram muito! 


5- Uma aluna puxa conversa comigo via whatsapp. Aí, depois de um tempo de bate-papo e troca de figurinhas, ela escreve: 'Eu acho tão "engrassado" professora e aluna conversando no Whatsapp!'
Tempos modernos!



29 de ago de 2015

SIMULAÇÃO DE CAMPANHA POLÍTICA - 4º ANO

Aí ontem, durante a aula sobre direitos e deveres constitucionais e a cidade de Canoas com o 4º ano, resolvemos fazer uma simulação de campanha política. Pra isso foram formados dois "partidos políticos", cada qual com sua plataforma e seu discurso de campanha e o povo, formado pelo restante dos alunos. Houve também votos com cédulas de papel e uma urna feita com caixa de sorvete. Ah, e teve até campanha de boca de urna... ilegal!

O mais bacana de tudo foi o debate entre os representantes políticos e o povo. Estava tão divertido, inteligente e criativo que eles não queriam que terminasse nunca. Algumas das falas:

A promessa: "Eu prometo aumentar os salários e diminuir os impostos..."
A réplica do povo: "Eu só vejo vocês falando que vão aumentar salários, fazer isso e aquilo... mas com que verba se vão diminuir os impostos?"
Resposta do político: "Ah, mas nós vamos contar com a ajuda do povo..."
Tréplica do povo: "De que jeito se vão diminuir os impostos? Ou vão aumentar? Se decidam."

Outras perguntas do povo: "O que vocês pretendem fazer com os moradores de rua?" "Vocês não vão fazer igual ao Sartori e parcelar os salários, né?" "E como nós vamos saber que vocês vão cumprir com o que prometem? Os políticos sempre prometem mas não cumprem..."
e respostas dos políticos: "Nem todos os políticos são iguais" (referindo à sua integridade); "vamos dar direitos a todos igualmente"; "...e construir abrigos pros moradores de rua..."


E ao final, votação e contagem de votos com representantes de cada partido fiscalizando. Houve votos válidos e um branco (meu, pra dar mais emoção!) e a comemoração do partido vencedor. 

30 de mai de 2015

ORALIDADE, REFLEXÃO E EXPRESSÃO

Muito importante discutir sobre todos os temas com as crianças e mais importante ainda é deixá-las falar, se expressar, pois a oralidade é essencial ao desenvolvimento delas. 
Num jogo de perguntas do tipo filosófica, algumas respostas, de meus alunos do 4º ano,  bem  interessantes:

A PERGUNTA: Se nós aprendemos com nossos erros, por que temos medo de errar?
E após alguns "Pois é... Não sei... É mesmo..." 

AS RESPOSTAS: "É por causa dos outros...Pelo o que os outros vão pensar... Vergonha que vejam que a gente não sabe... É a pressão dos outros... É pressão psicológica.

A PERGUNTA: Se você crê em Deus, o que sentiria se descobrisse que Deus é mulher?

A RESPOSTA de uma menina: Ah, eu ia adorar se Deus fosse mulher porque daí eu ia convidar ela pra passear no shopping comigo!

A RESPOSTA de um menino: Eu ia me sentir enganado. Toda a vida dizendo que Deus era homem e aí vai ver é mulher. 


Em outro dia, o assunto era indústria, comércio e a cidade de Canoas. Aí alguém comenta que o comércio, para vender, antes precisa comprar. 

Nisso uma outra criança comenta o preço da batatinha frita e diz que além de caro o produto é de má qualidade, pura gordura. 

Um outro fala que isso é errado, é roubo. Eu entro e falo dos impostos que também são altos. 

Uma menina diz que as pessoas fazem greve pra mudar e nada muda. Eu concordo com ela mas digo que precisamos lutar sempre. 

Um menino fala que a culpa é da Dilma, enquanto outro menino diz que "é um saco" essa gente que votou na Dilma e que agora não quer mais...

De economia à política, um pulo!